Mulheres com um tipo comum de câncer de mama em estágio inicial podem evitar a quimioterapia

Os pacientes beneficiados pelas novas descobertas têm tumores de mama medindo de 1 a 5 centímetros. (Foto: Reprodução)

Um importante estudo internacional feito nos Estados Unidos concluiu que muitas mulheres com câncer de mama em estágio inicial que receberiam quimioterapia sob os padrões atuais não precisariam se submeter a esse tipo de tratamento. As informações são do portal de notícias G1.

A constatação feita pela pesquisa da Centro Médico da Universidade de Vanderbilt pode mudar o padrão de atendimento para a doença. “Podemos dispensar milhares e milhares de mulheres de receber um tratamento tóxico, que realmente não as beneficiaria. Isso realmente muda o padrão de atendimento”, disse Ingrid A. Mayer, uma das autoras do estudo, de acordo com o jornal The New York Times.

Desde 2006, o estudo TailorX envolveu mais de 10 mil mulheres nos Estados Unidos e cinco outros países com diagnóstico de câncer de mama precoce e acompanhou seu progresso no tratamento pós-operatório.

O estudo mostra que a maioria dos pacientes com risco intermediário de recidiva do câncer (grupo que chega a 65 mil mulheres por ano nos EUA) pode evitar a quimioterapia. Também pacientes de baixo risco, que é determinado por um teste genômico dos tumores, podem abrir mão esse tipo de tratamento, que frequentemente é debilitante.

Os dois grupos, juntos, representam cerca de 70% das mulheres diagnosticadas com o tipo mais comum de câncer de mama – o significa que mais de 85 mil mulheres por ano – podem abandonar a quimioterapia com segurança a partir desse estudo, de acordo com o The Washington Post.

Os pacientes beneficiados pelas novas descobertas têm tumores de mama medindo de 1 a 5 centímetros, que não se espalharam para os linfonodos, sensíveis ao estrogênio e que receberam negativo no teste para uma proteína chamada HER2. No teste que mede a recorrência do câncer nos genes, a pontuação deve ter ficado entre 11 e 25.

Os resultados do estudo, patrocinado pelo governo americano, foram publicados no “New England Journal of Medicine” e vão ser apresentados no encontro anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica neste domingo (3).

“Acredito que esse seja um avanço importante”, disse Larry Norton, médico do Memorial Sloan Kettering Cancer Center, de Nova York. Ele não está entre os autores do estudo, mas seu hospital participou da pesquisa. “Poderei olhar a paciente nos olhos e dizer que o tumor dela foi analisado e que seu prognóstico é realmente bom e ela não precisa de quimioterapia. É muito bom poder dizer algo assim a alguém”, afirmou.

Fonte: O Sul

Deixe seu Comentário!