Connect with us

Politica

Governo libera venda de Fuzis do exército para produtores rurais, caçadores e atiradores.

Publicados

em

“Quem tem condições de comprar?”
“Mundo das armas virou mercado de superfaturamento até legalizar.”
“É preciso uma linha de crédito especial para facilitar.”
A IMBEL, indústria de armas subordinada ao Exército Brasileiro abriu a venda de fuzis 5,56 e 7,62 para o público civil gerando entusiasmo nos amantes de armas de todo o Brasil. Uma das mais esperadas e debatidas promessas do Presidente em sua campanha era a posse e porte de arma para o cidadão de bem.
Uma medida vista como protetora e de direito ao brasileiro, com grande apoio da população, a promessa foi cumprida e agora está liberada a venda de fuzis do exército para produtores rurais, caçadores e atiradores.
Antigamente, segundo definição estabelecida pelo Exército em 2000, poderia ser considerada de uso restrito a arma que disparasse projétil com energia de lançamento acima de 407 joules.
A nova lei alterou o limite e esse foi ampliado para 1.620 joules. Ou seja, agora o Fuzil pode ser comprado para caça, treino e proteção da propriedade rural.
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) sancionou em setembro de 2019, o projeto de lei que permite a moradores rurais ter a posse de arma de fogo em toda a extensão de imóvel localizado no campo. O texto foi sancionado sem vetos. Permitir a posse de arma além da sede do domicílio rural é um pleito antigo da bancada ruralista que enxerga na medida mais maneiras de se defender da violência no campo, como o roubo de rebanhos. Críticos dizem que a medida pode agravar a violência no campo.
Fonte: Compre Rural

Continue lendo
Patrocinado
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Politica

TCU quer barrar contratação de militares no INSS

Publicados

em

Por

O recrutamento de sete mil militares para trabalharem no atendimento do INSS pode ser barrado pela justiça.

O ministério público junto ao tribunal de contas da união entrou com um pedido para suspender a utilização dos militares. O governo federal anunciou o recrutamento como forma para reduzir a fila do INSS com um milhão e 300 mil pedidos parados. Os militares atuariam no atendimento ao público enquanto servidores da previdência seriam encaminhados para a análise de benefícios. Mas de acordo com o tcu, a medida viola a constituição que prevê a contratação de carreira específica e por concurso público para atuar no INSS.

O governo ainda deve sancionar o decreto que autoriza a admissão dos sete mil militares aposentados. O pedido de suspensão da medida ainda será avaliado no tribunal de contas da união.

Leia também:  OCORRÊNCIA DE DISPAROS DE ARMA DE FOGO EM IJUÍ
Continue lendo

Politica

Sancionada permanência de famílias que vivem às margens de rodovias e ferrovias

Publicados

em

Por

Pixabay

Projeto aprovado pelo Congresso Nacional (PL 693/2019) que assegura o direito de permanência a famílias que vivem em imóveis construídos em faixas não-edificáveis de rodovias e ferrovias foi sancionado e agora é lei (Lei 13.913). Segundo o senador Lasier Martins (Podemos-RS), a medida protege os posseiros contra ações de reintegração de posse de concessionárias. A reportagem é de Bruno Lourenço, da Rádio Senado.

Fonte: Agência Senado

Leia também:  Pacote anticrime é sancionado com vetos
Continue lendo

Politica

Bolsonaro e Regina Duarte reúnem nesta segunda-feira (20) para tratar de indicação para Cultura

Publicados

em

Por

Foto: Reprodução/Instagram

Depois de declarar que precisava conversar “olho no olho” com o presidente Bolsonaro sobre o convite para ser ministra da Cultura, Regina Duarte receberá Bolsonaro, hoje, no Rio de Janeiro. O presidente embarcou para a cidade fluminense na manhã desta segunda-feira (20), onde encontrará também com o prefeito Marcelo Crivella e o comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Ilques Barbosa Junior, para uma agenda oficial. O retorno para Brasília está previsto para 15h.

Para receber Regina Duarte, Bolsonaro estaria cogitando retomar a estrutura de Ministério, que foi reduzida a secretaria e está subordinada ao Ministério do Turismo. O nome da atriz foi levantado na última sexta-feira (17), após Bolsonaro demitir o dramaturgo Roberto Alvim. Um dia antes, Alvim parafraseou em discurso Joseph Goebbel, um dos idealizadores do nazismo. O vídeo recebeu inúmeras críticas pelo conteúdo e o secretário foi exonerado.

Leia também:  Previdência dos servidores civis gaúchos terá novas alíquotas de contribuição a partir de abril de 2020
Continue lendo
Patrocinado

NEWSLETTER

Seu email:

Destaque