Cada candidato à Presidência terá 25 policiais para sua segurança

O diretor da PF (Polícia Federal), Rogério Galloro, confirmou no sábado (8) que a escolta de policiais federais para presidenciáveis deve aumentar de 21 para até 25 policiais por candidato. Segundo a assessoria da PF, a distribuição desse efetivo, por dia, será pensada conforme a agenda dos candidatos.

Em reunião na sede da PF, em Brasília, com representantes de partidos políticos, foram reafirmados os critérios de atuação, as orientações e os protocolos adotados pela PF.

Em nota divulgada após a reunião, a PF diz que o encontro foi marcado “em decorrência da elevação do nível de alerta provocado por evento crítico no decorrer da campanha”, em uma referência ao ataque sofrido pelo candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro.

Participaram do encontro representantes dos candidatos Álvaro Dias (Podemos), Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin. Nenhum representante do PSL compareceu à reunião.

De acordo com a assessoria da PF, desde o início da campanha, todos os presidenciáveis têm à disposição uma equipe de agentes integrados ao pessoal de segurança da campanha, mas só esses pediram o apoio.

Na sexta-feira (7), após participar do desfile comemorativo do 7 de Setembro, em Brasília, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse aos jornalistas que o efetivo da PF para a segurança dos candidatos à Presidência da República seria ampliado em até 60%, depois do episódio de quinta-feira (6) envolvendo o candidato do PSL, que foi esfaqueado durante campanha no centro da cidade de Juiz de Fora.

De acordo com o ministro, atualmente 80 agentes da PF fazem a segurança de cinco presidenciáveis que solicitaram o serviço, previsto em resolução do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a partir do momento em que as candidaturas são oficializadas nas convenções eleitorais. Apesar da previsão, ressaltou Jungmann, a proteção não é automática e precisa ser solicitada pelas campanhas. Além de Bolsonaro, a PF faz a segurança de Alvaro Dias (Pode), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckimin (PSDB) e Marina Silva (Rede).

Boicote

O presidente nacional do PSL, Gustavo Bebbiano, já havia afirmado que o partido não enviaria nenhum representante para a reunião convocada pela Polícia Federal com coordenadores de campanha para tratar da segurança dos presidenciáveis.

Segundo Bebbiano, a reunião serve apenas para a Polícia Federal “ficar bem na fotografia” depois do atentado ao candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro.

“Esse tipo de reunião é simplesmente para proteção política das autoridades. Estão preocupados com a imagem deles, muito mais com a imagem do que com a operação (de segurança) em si”, afirmou Bebbiano.

“Cada candidato tem um perfil, cada candidato tem um nível de risco. O que adianta uma reunião padronizada com os representantes? Não adianta nada, só pra ficar bem na fotografia”, criticou o presidente nacional do PSL.

O Sul

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.