O Inter perdeu por 2 a 1, e o Athletico-PR é o campeão da Copa do Brasil

0
92
O Inter não conseguiu reverter o placar e ficou com o vice-campeonato da Copa do Brasil. (Foto: Ricardo Duarte/Internacional)

Com público recorde de 50.355 torcedores no Beira-Rio, o Inter perdeu por 2 a 1 para o Athletico-PR, na noite desta quarta-feira (18), e o título da Copa do Brasil foi, pela primeira vez, para o time paranaense. Os gols do jogo foram marcados por Léo Cittadini e Rony, para os visitantes, e Nico López, para o Colorado.

O jogo foi tenso, com o time paranaense marcando um gol aos 23 minutos do primeiro tempo. O Inter conseguiu o empate ainda na etapa inicial, aos 32. O time gaúcho precisava fazer mais dois para levantar a taça no tempo regulamentar, e mais um para definir o título nas penalidades máximas, mas não conseguiu marcar no segundo tempo, deixando o Furacão ampliar a vantagem nos acréscimos.

Primeiro tempo

Aos 10 minutos, o Internacional tinha mais posse de bola do que o time do Athletico. Eram 60% contra 40%. A essa altura o Internacional pressionava com todos os jogadores de linha no campo de ataque do adversário, mas faltava calma para abrir o placar.

Aproveitando o desespero do time gaúcho, o Furacão marcou um gol aos 23 minutos, com Léo Cittadini abrindo o placar no Beira-Rio, ampliando a vantagem de 1 a 0 conquistada há uma semana em Curitiba. Mas o Internacional não se desesperou e, aos 32, chegou ao empate com Nico López, após jogada confusa, que passou por 8 jogadores, na área.

O final da primeira etapa foi movimentada, com os dois times quase marcando: aos 42, Cittadini quase anotou para o Athletico ao cobrar escanteio direto, surpreendendo Marcelo Lomba. A bola, no entanto, saiu por cima do gol.

No minuto seguinte, Nico López recebeu na direita e fez ótima jogada individual. Ele entrou na área e chutou, mas a batida saiu mascada e facilitou a vida do goleiro do Furacão.

Leia também:  Filho tem pai e mãe assassinados e faz justiça com as próprias mãos em Passo Fundo

Com acréscimo de três minutos, a torcida do Inter reclamou muito, já que o jogo teve sequência de faltas longas, com jogadores do Athletico truncando o jogo. No total, foram nove faltas cometidas pelo Colorado e dez pelo visitante.

Segundo tempo

No segundo tempo, o Colorado entrou com uma modificação. O técnico Odair Hellmann tirou o volante Patrick e para colocar o atacante Rafael Sóbis em seu lugar. Aos 8 minutos, ele cobrou falta com força e obrigou Santos a segurar.

Em seguida, mais uma troca no time gaúcho. Saiu Bruno para a entrada de Nonato.

A cobrança de um escanteio curto quase resultou na virada colorada, com Sóbis cruzando na área. Aos 14, Wellington Silva recebeu de Uendel na esquerda e fez uma jogada individual, cortando para o meio. Ele arriscou o chute, mas errou o alvo.

A primeira mudança no time do Athletico veio aos 15, entrando o lateral direito Madson, e saindo Khellven, jogador da mesma posição. A partir daí, a torcida cantava alto tentando empurrar o Colorado para uma virada e o time gaúcho passou a jogar com mais calma para construir as jogadas.

Aos 22, substituição de um atacante por outro no time paranaense: entrou Marcelo Cirino e saiu Marco Ruben.

Aos 30 minutos, o Furacão quase marcou. Rony descolou bom cruzamento pela esquerda e Cirino chegou antes de Cuesta para tocar de cabeça. A bola passou à esquerda de Lomba, trincando a trave.

A essa altura, o Internacional tinha 10 minutos para mudar o resultado do jogo e o seu destino no torneio nacional. Odair promoveu a troca de Wellington Silva por Guilherme Parede.

Já nervoso e aparentemente cansado, o Colorado não respondia bem em campo e, aos 37, Sóbis olhou para a arquibancada pedindo apoio da torcida, que a essa altura estava incrédula. Algumas pessoas já abandonavam o estádio antes mesmo do final da partida.

Leia também:  Perturbação do sossego resulta em apreensão de carros em Erechim

Com cinco minutos de acréscimo o desespero tomou conta do time gaúcho, que tentava de todas as formas virar o placar para forçar uma decisão por pênaltis. Porém, a possibilidade do título acabou aos 51 minutos de jogo, no último lance da partida. Rony marcou o segundo gol atleticano após uma jogada espetacular de Marcelo Cirino.

O camisa 10 recebeu de Bruno Guimarães na ponta esquerda, protegeu e aplicou lindo drible sobre Edenilson. Ele ainda passou por Lindoso e encontrou o camisa 7 dentro da área para decretar o título inédito do Furacão.

Ficha técnica

Internacional: Marcelo Lomba, Bruno (Nonato), Rodrigo Moledo, Víctor Cuesta, Uendel, Rodrigo Lindoso, Edenilson, Patrick (Rafael Sóbis), Nico López, Paolo Guerrero, Wellington Silva (Guilherme Parede). Técnico: Odair Hellmann.

Athletico-PR: Santos, Khellven (Madson), Robson Bambu, Léo Pereira, Márcio Azevedo, Wellington, Léo Cittadini (Lucho González), Bruno Guimarães, Nikão, Rony, Marco Ruben (Marcelo Cirino). Técnico: Tiago Nunes.

Arbitragem: Wilton Pereira Sampaio (GO), auxiliado por Emerson Augusto de Carvalho (SP) e Bruno Raphael Pires (GO).

VAR (árbitro de vídeo): Braulio da Silva Machado (SC).

O Sul

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui