Connect with us

Mundo

Mãe conta como adolescente francesa de 16 anos morreu de quadro fulminante da Covid-19

Publicado

dia

CMSRC / Wikimedia

A angústia dos franceses aumenta com a morte de uma adolescente de 16 anos, Julie, vítima do novo coronavírus. Ela morreu na terça-feira (24) no Hospital Necker de Paris, especializado em doenças infantis, 24 horas depois de ser hospitalizada com insuficiência respiratória.

Julie, moradora de Essone, subúrbio ao sul da capital, era saudável até desenvolver a Covid-19. Ela não tinha outras patologias conhecidas, segundo a família, e é a primeira menor a morrer na França desde o início da pandemia.

“Nunca teremos uma resposta”, diz Sabine, mãe da adolescente. “É um choque perder um filho, a vida perde o sentido, mas temos a obrigação de continuar“, afirma inconsolável. Ela não se conforma que médicos e autoridades continuem a afirmar que os jovens não morrem dessa doença.

Em entrevista ao jornal Le Parisien, a irmã de Julie, Manon, alerta que “ninguém é invencível perante esse vírus mutante”. Ela e a mãe estão confinadas em casa.

Manon conta que Julie tinha uma tosse leve até a semana passada. Mas os sintomas se agravaram no fim de semana, quando ela desenvolveu uma secreção intensa nas vias respiratórias e começou a perder o fôlego.

Na segunda-feira (23), a adolescente fez uma consulta com um clínico geral, o médico de referência no sistema público de saúde, que constatou o comprometimento dos brônquios. “Ela não tinha outras doenças”, garante a irmã.

Dois testes negativos

No mesmo dia, a jovem foi hospitalizada em uma unidade de Essone. Um teste diagnóstico da Covid-19 foi realizado. Mas antes da obtenção do resultado, os sintomas se agravaram e Julie foi transferida, durante a madrugada, para o Hospital Necker, no 15° distrito de Paris.

Dois novos testes foram feitos no Necker e deram negativo, conta a mãe da adolescente. Julie permaneceu internada sem assistência respiratória. Porém, um telefonema do primeiro hospital revelou que o primeiro teste realizado em Julie deu positivo. Os médicos do Necker imediatamente colocaram a menor sob ventilação, mas seus pulmões não resistiram.

Leia também:  Embaixador britânico morre aos 37 anos vítima de coronavírus

Quando a mãe e a irmã da menor chegaram ao hospital parisiense, já era tarde demais. Julie tinha morrido. “Foi violento. Tivemos tempo de vê-la, mas depois tudo aconteceu muito rápido. Por causa das circunstâncias da epidemia, o protocolo para o enterro é muito rigoroso. Sei que é complicado, mas um pouco mais de humanidade é necessário“, disse Sabine, muito abalada com a perda da filha.

O corpo da adolescente será sepultado na próxima segunda-feira, na presença de no máximo dez pessoas, como prevê um decreto do governo. Os amigos da adolescente previram uma homenagem na escola no dia 4 de maio, quando está inicialmente prevista a volta às aulas. Eles pretendem construir um memorial, fazer um minuto de silêncio e uma marcha branca e vermelha. Segundo uma colega de classe, o branco é uma referência ao bom humor de Julie, enquanto o vermelho era a cor preferida da estudante.

// RFI

Economia

COVID-19 reduz renda de 77% dos mais pobres e dos 26% dos mais ricos no Brasil, diz pesquisa

Publicado

dia

Por

© Folhapress / Paulo Paiva/Agif

Uma pesquisa feita pelo DataPoder360 divulgada neste sábado (18) mostrou que 77% das pessoas que não possuem salário fixo ou que estão desempregadas tiveram renda reduzida como resultado da crise econômica causada pela pandemia da COVID-19.

Segundo a publicação, os dados mostram que quanto mais baixa a inserção econômica do entrevistado, maior tem sido o impacto na sua renda durante a pandemia.

 

Somente 15% dos desempregados e sem salário fixo disseram não ter tido a renda prejudicada e 8% não souberam responder.

Já entre os mais ricos, 26% das pessoas que recebem mais de dez salários mínimos (equivalente a R$ 10.450) afirmaram que sofreram impacto econômico por causa da pandemia e 71% disseram estar mantendo suas receitas inalteradas neste período e 4% não souberam responder.

No levantamento nacional, foram entrevistadas 2.500 pessoas de 512 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de dois pontos percentuais e o intervalo de confiança é de 95%.

 

Ao todo, a pesquisa mostra que 63% dos brasileiros tiveram o salário ou a fonte de renda prejudicada, 31% não tiveram e 6% não souberam responder.

Home Office é mais presente entre mais ricos
Outro aspecto monitorado pela pesquisa são possíveis alterações na rotina de trabalho do brasileiro. Segundo o levantamento, os mais ricos foram os que tiveram uma mudança maior e mais adequada às orientações contra a COVID-19.

 

De acordo com os dados, 80% entre os brasileiros que recebem de cinco a dez salários mínimos e 70% dos que recebem mais de dez salários mínimos puderam trabalhar em casa durante o período de quarentena.

Entre a parcela da população com renda menor, o percentual dos que mudaram a rotina de trabalho cai para 36%, ante 43% dos que disseram não ter passado a trabalhar em home office.

Leia também:  Caixa justifica auxílio emergencial negado

 

Pessoas nas faixas médias de renda também tiveram menos mudanças na forma de trabalhar. Entre os que recebem até dois salários mínimos, 53% mudaram a rotina e entre os que recebem de dois a cinco salários, foram 56%.

No total, 40% dos brasileiros disseram ter passado a trabalhar em casa, 46% disseram não ter tido a rotina alterada.

//Sputniknews

Continue lendo

Mundo

Mulher declarada morta é salva após se mexer dentro de saco em funerária no Paraguai

Publicado

dia

Por

Vítima "ressuscitou" antes da aplicação de formol em seu corpo. Foto: Reprodução

Uma mulher de 46 anos “ressuscitou” após ter sido declarada morta em uma clínica de Coronel Oviedo, no Paraguai, no último sábado (11). Gladys Rodríguez precisou ser encaminhada às pressas a um hospital, onde se encontra em estado grave, mas estável. As informações são do portal de notícias “ABC Color”.

 

Tudo começou quando Gladys, que sofre de câncer no ovário, teve pressão alta e passou mal. Ela foi levada pelo marido a um centro médico, mas o quadro se agravou e, três horas, foi declarada morta pelo médico que a atendeu, foi identificado como Heriberto Vera.

O marido da “vítima”, Maximino Duarte Ferreira, e a filha, Sandra Duarte, relataram que já estavam se preparando para o enterro de Gladys. Mas de repente, funcionários da funerária para onde o corpo foi levado encontraram a mulher se mexendo dentro do saco para cadáveres onde tinha sido colocada.

 

“Ele (o médico) achou que ela estivesse morta e me entregou o corpo nu dela para mim, como se fosse um animal, sem atestado de óbito”, contou o marido a uma emissora local. A descoberta de que Gladys estava viva foi feita pouco antes do início da aplicação de formol – usado para conservar o corpo.

De acordo com o “ABC Color”, a família prestou queixa à polícia.

O Sul

Continue lendo

Mundo

Facebook vai avisar quem interagir com informações falsas sobre o coronavírus

Publicado

dia

Por

Foto: Reprodução/Facebook (Foto: Reprodução/Facebook)

O Facebook anunciou nesta quinta-feira (16) uma nova ferramenta para evitar o compartilhamento de informações falsas sobre o novo coronavírus. Usuários que tiverem interação com postagens com boatos sobre a pandemia serão notificados.

 

De acordo com a rede social, o sistema de avisos começará a funcionar nas próximas semanas. “Queremos conectar pessoas que possam ter interagido com informações prejudiciais ​​sobre o vírus com a verdade de fontes oficiais”, disse a empresa em comunicado.

 

O Facebook também vai conectar as pessoas com informações checadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde) que mostram uma lista de mensagens falsas sobre a Covid-19 disseminadas na internet.

O Sul

Continue lendo

Newsletter

Receba as Notícias do site direto em seu email! Cadastre-se gratuitamente:
Patrocinado
Patrocinado

Mais lidas da semana

Notícias no seu WhatsApp whatsapp